segunda-feira, 27 de agosto de 2012

O diário de uma professora (parte XII)


80 anos da Elisa. A família reunida.


As pessoas costumam dizer que a vida é como um ciclo, em que se revezam nascimento e morte, miséria e fortuna. Não concordo com este dualismo, mas a dinâmica da vida e a riqueza das formas e dos conteúdos, com seus infinitos desdobramentos, nem sempre nos permitem enxergar a complexa diversidade da existência real e do porvir. A impressão que tenho hoje é que Elisa, apesar de abatida pelos revezes familiares, triste pelas perdas, sempre acreditou no amanhã. Pode parecer simplista, mas ela não desistiu de viver, mesmo dizendo: “chega de viver”. O que ela continua nos contando a seguir demonstra esta capacidade de superação.  

No Brasil, os anos 1960 foram tempos difíceis. Na política, na cultura, na vida das pessoas. Foi a década em que a população urbana ultrapassou a população rural. As pessoas deixaram o campo em direção às cidades, que passariam por um ciclo de crescimento e de mazelas sociais sem precedentes na história do país (favelas, violência, etc.). Em pouco mais de vinte anos a realidade rural, arcaica e tradicional do Brasil, presa às ideologias da aristocracia rural, cederia espaço para grandes cidades, muitas acima de 100.000 habitantes, algumas passariam de 500.000 habitantes. Iniciada nos anos 1950, a migração interna acelerou-se. As periferias das grandes cidades cresceram assustadoramente; uma cultura urbana, diversificada, multifacetada, juntando pedaços regionais, se desenvolve de modo criativo e impulsiona um processo de renovação.

Na política, JK passa o poder ao Jânio, eleito democraticamente, mas que renuncia após 8 meses de governo; o vice Jango é impedido de assumir, e o país conhece o parlamentarismo; volta atrás, e Jango assume, inicia as reformas de base, tão necessárias; é deposto por um golpe militar e o país conhece um retrocesso político tremendo. Tudo isso em quatro anos! O que nós estávamos fazendo? Cada um de nós. Onde estávamos? Como acompanhamos o desenrolar dos acontecimentos? Uns, muito novos, talvez nem ideia tivessem do que se passava; outros, mais velhos, talvez perplexos, sem atitudes a tomar. Muitos, envolvidos, a favor ou contra. O fato é que o país passaria por uma modernização conservadora, tão bem caracterizada por Celso Furtado no seu livro O Brasil pós-“Milagre”. Como ele constrói este raciocínio? Vejamos: “As malformações da sociedade brasileira são tão evidentes, tão grande o contraste entre a penúria e o desperdício, que todos devemos questionar-nos como foi possível que chegássemos a isso. Como conciliar essa realidade com as potencialidades do país e com o notável esforço de desenvolvimento já realizado?”

Este livro foi escrito em Paris, no início dos anos 1980. Celso Furtado, que teve seus direitos políticos cassados em 1964, não espera o fim do regime para se pronunciar contra o “emaranhado a que o levou [o Brasil] a uma prática política que se nega a ver problemas estruturais”. Ele se espanta ao perceber o quanto o país não reflete sobre si mesmo. E conclui: “Em síntese, no decênio compreendido entre 1964 e 1973, não obstante um considerável aumento do produto interno, não se assinala na economia brasileira nenhum ganho de autonomia na capacidade de autotransformação, nem tampouco qualquer reforço da aptidão da sociedade para autofinanciar o desenvolvimento”.

A família de Elisa cresce. Os netos se casam, nascem os bisnetos, cada um busca seu espaço no mundo. A idade acentua os problemas de saúde, em especial a diabetes. Com quase 80 anos, Elisa cuida de si e dos seus. Repete algumas anotações no Diário [não vou pular, nem “editar” nada]. Em 1963, completou 80 anos e ganhou uma bonita festa da família. Vamos ao Diário.

 O Diário (parte XII).

No dia 16 de dezembro, Neusa ganhou o seu filhinho. Chama-se Marcelo.

Nasceu pequenino e magrinho, mas como a mãe tem bastante leite, ele engordará em poucos dias. É uma criança mansa e muito parecida com o pai.

Neusa conseguiu remoção para um grupo escolar perto de Santos. Vai e volta às 6 da tarde. Está lecionando em 1º ano. Ela estranha, pois sempre trabalhou com 4º ano; mas no fim do ano serão coroados os seus esforços, pois é a classe que apresenta melhores resultados.

Dácio casou-se no dia 30 de janeiro e vai indo bem. Ele e Miriam compreendem-se muito bem. Júnior está matriculado no 5º ano (admissão) do Archidiocesano. Está satisfeito.

Júnior prestou exame e foi aprovado. Vai fazer, este ano, a 1ª série do ginásio.

Quando nos mudamos de Presidente Wenceslau para esta capital, nasceu o Sylvio (1º filho do Romeu). Era uma criança magrinha, mas logo se desenvolveu.

Dulce ficou encantada com o primeiro sobrinho e auxiliou Ciloca [esposa de Romeu] a cria-lo. Morávamos, nessa ocasião, à Rua Cândido Valle, na 6ª Parada. Eu lecionava no Grupo Escolar da Vila Gomes Cardim e, como não ficava longe, ia a pé com Cid, que frequentava o 3º ano primário. Era sua professora Dona Alzira, muito distinta (Dona Alzira já faleceu. Era uma professora muito simpática e bondosa. Morreu muito cedo).

Lúcio estava terminando o curso de farmácia e Olga foi, a convite de sua madrinha, lecionar no Jaborandy, às crianças da fazenda [Barretos, SP]. Romeu começou a trabalhar na Casa Bayton. Mais tarde, ele passou para a Casa Stolze, como técnico de rádio.

Da Rua Cândido Valle, mudamo-nos para Santana e fomos morar em uma boa casa e dali passamos para a Rua Voluntários da Pátria. Um amigo de Joãozinho estava de mudança para outro bairro e cedeu-nos a casa que possuía uma boa freguesia de plissês, Dulce aprendeu a fazer os plissês e trabalhamos bastante nesse serviço. Digo trabalhamos, porque ela sozinha não podia fechar as formas e era sempre auxiliada por mim ou pelo Lúcio. Este, muito paciente, conseguia reunir as pregas, que se levantavam, ao ser a fazenda retirada da forma.

Da Rua Voluntários da Pátria passamos para a Rua Duque de Caxias, pois Joãozinho havia adquirido um belíssimo gabinete dentário, na Praça do Patriarca e ali instalou-se como dentista. Ficamos alguns meses nessa casa e depois resolvemos mudar, pois não possuía quintal. Era um trabalho bastante desagradável para mim, trazer o corredor muito asseado logo pela manhã. Antes de preparar o café, eu fervia água para lavar o corredor e depois desinfetá-lo com creolina. Mesmo assim, começaram a aparecer moscas e houve reclamação dos vizinhos.

Mudamo-nos, então, para a Rua Vergueiro, quase em frente à Igreja Santo Agostinho. Era uma casa velha, mas possuía um bom quintal. Aí morreu o nosso Louro, um papagaio inteligentíssimo, falava mais de 100 palavras.

Aí Dulce conheceu Homero e aí nasceu Lúcia. Finalmente paramos de mudar, pois consegui levantar o meu montepio e comprei a casa da Rua Hermínio Lemos. Levei 12 anos para pagar a casa, mas em compensação não pagava imposto durante esse tempo, e nem água.

Logo que nos mudamos para a Rua Hermínio Lemos, Lúcio formou-se em farmácia e, poucos meses depois, casou-se com Eunice, indo trabalhar, isto é, tomar conta e dar o nome a uma farmácia em São Manoel.

Lúcio trabalhava em uma farmácia perto de São Manoel, quando se casou. Quando Neyde estava a chegar, Eunice veio para nossa casa, à Rua Hermínio Lemos. Aí nasceu Neyde, no dia 11 de junho e no dia 24 do mesmo mês e ano, nasceu Elza. Marina só chegou 10 anos depois da Neyde, quando Lúcio morava em Uruguaiana. Eu, Dulce e Dácio (este com 2 anos e meio) fomos de navio e de trem assistir ao nascimento de Marina. Seis meses depois, isto é, em janeiro do ano seguinte, chegou o Heraldo.

Aposentei-me em abril de 1932, depois de lecionar 31 anos. Depois de aposentada, sai diversas vezes, com Joãozinho. Estivemos em Avaí, Mato Grosso, Guaraçay, Alfredo de Castilho, Dracena, etc.

 Elisa e os bisnetos

Estamos em maio de 1963.

Em abril completei 80 anos e, de acordo com os filhos, fizemos uma reunião de todos no dia 14, pois Neusa achava que ela estaria na maternidade. Vieram todos e, aproveitando a reunião tiramos retratos.

São 16 netos e 7 bisnetos.

O segundo filhinho da Neusa chegou mesmo no dia 14 e chama-se Adriano. É bonitinho e bem forte.

Tive a satisfação de ver reunidos, aqui em casa do Homero, todos os meus netos, os maridos das netas, a esposa do neto (Miriam), os filhos e os bisnetos.

À noite, vieram os outros parentes e pessoas amigas, num total de mais de 150 pessoas.

Dia 7 de junho. Olga veio com a família. Fomos ao cemitério (eu, Olga e Dulce) levar flores para o Joãozinho e Romeu. Cada dia que se passa, mais saudades eu tenho de ambos.

Neusa foi com as crianças passar uns dias em São Sebastião.

Homero está doente e vai ser operado na próxima semana. Deus permita que tudo corra bem.

Homero foi operado e, infelizmente, o tumor é maligno. Coitado do Homero! Tão bom, tão trabalhador e tão alegre! Estamos tristes ao lembrarmos que ele não viverá muito tempo mais. E que falta vai fazer! Coitada da Dulce!

Durante a doença do Homero eu também fiquei doente, com uma úlcera no duodeno. O Dr. Moacyr receitou remédios e dieta para a úlcera e, em 4 meses, fiquei boa. Durante o tratamento da úlcera, como a dieta era grande, não tomei injeções de insulina, a conselho médico. Resultado, a glicose no sangue subiu a quase 300. Então voltei à insulina e tomei também diabase. A glicose baixou a 95 e então eu comecei a ter descontrole, chegando mesmo a cair.

Fui à consulta do Dr. Scanone e contando a ele que eu andava fazendo tolices como se fora criança, ele achou que eu tinha um começo de arteriosclerose, pois já completei 81 anos. Vindo ao Rio, contei o caso ao Lúcio e ele achou que eu estava tomando muita insulina e aconselhou-me a diminuir. Já diminui e, no próximo exame, vamos a ver o resultado. Fiz novo exame de sangue e a glicose baixou em virtude de ter diminuído a insulina. Lúcio acertou.

Homero faleceu no dia 13 de fevereiro.

No dia 10 de maio eu vim passar uns meses aqui no Rio.

Neusa teve seu terceiro filhinho, no dia 7 de junho (aniversário do meu velho) e foi feliz. O menino chama-se Frankie. Eu não o conheço ainda.

Elza tem mais um menino. Homero e Dulce são seus padrinhos. Ele, apesar de bem doente, foi com Dulce à Uberaba, batizá-lo. Chama-se Luciano.

Cid e Selma tem também mais uma menina – Nina. Eu e Homero somos os seus padrinhos, pois na ocasião do batizado, Homero estava com bastante saúde.

Depois do Frankie, chegou uma menina para Neusa. Chama-se Fernanda. Ela vai fazer dois anos no dia 9 de julho, digo junho. É uma menina muito viva e bonita. É morena e tem os cabelos encaracolados.

No começo de fevereiro, Dulce sofreu um desastre pavoroso de automóvel. Vindo do grupo com mais 3 colegas, quando um caminhão chocou-se com o carro atirando-a fora do carro e foi dada como morta. Esteve no Hospital das Clínicas e depois no Municipal muitos dias, em tratamento. Graças a Deus sarou e está trabalhando. (Continua na próxima semana).


 Elisa e os netos


 Elisa e os bisnetos

Elisa e os filhos da Neusa

Dulce, Homero e os sobrinhos, na Fazenda das Aroeiras

Elza, Dulce e Homero no batizado do Luciano
 



quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Senhores candidatos



Renato Muniz Barretto de Carvalho

Bom dia! Em primeiro lugar, quero que saibam da minha alegria e do meu agradecimento por terem se apresentado ao pleito eleitoral de 2012. Creio tratar-se de uma demonstração de seu envolvimento com os destinos das cidades, com a consideração da política como algo sério e necessário num país como o nosso, onde existem tantas carências e tantos erros do passado a serem corrigidos.

Mas não estou aqui para falar dos erros do passado, da escravidão que tanto mal fez ao país no passado colonial e cujas consequências estenderam-se até o presente, nem sobre as ditaduras. É preciso acertar as contas com o passado, sim, mas neste momento é preciso se preocupar com o futuro. Embora as coisas estejam interligadas. O povo simples sabe disso.

Como é bom perceber a alegria dos senhores candidatos, ver como se expõem na mídia, como falam de seus projetos, de suas ideias para as nossas cidades. É importante conhecer seu passado de atuação em defesa da cidadania, da coisa pública, e de como estão preparados para governar as cidades ou nos representarem no parlamento municipal, nas câmaras de vereadores. Meu muito-obrigado!

Algumas coisinhas, entretanto, incomodam. E é bom não deixar isso para mais adiante, senão a gente se esquece, ou se arrepende por ter deixado passar... Não é?

São tantas coisinhas que não vai dar para mencionar todas, mas uma delas tem me deixado “com a pulga atrás da orelha”. Conhecem esta expressão? Significa uma certa desconfiança, uma desconfiançazinha de que algo pode não estar correto. Entendem?

Uma dessas coisinhas é, por exemplo, a quantidade de placas – sei lá se o nome é esse mesmo – que têm aparecido nas ruas das cidades ultimamente. Placas com os rostos dos senhores candidatos, muitas seguidas do número e da sigla partidária. Como são irritantes! Estarei ficando velho e impaciente?

Como perguntar não ofende, qual a razão de tantas placas nos canteiros centrais de avenidas, em rotatórias, em calçadas? Fazer os candidatos mais conhecidos dos eleitores? Marcar território, como fazem lobos e cachorros com xixi? Dizer ao mundo que são candidatos? Mas a televisão, os jornais, os debates, as visitas já não nos informam intensamente disso?

Mesmo que autorizadas pela legislação, não seria o caso de se perguntar qual o efeito disso no visual e no conforto urbano? Tantas placas podem dificultar ou até impedir a circulação. Afinal, a rua, a praça, o logradouro, como queiram, são espaços públicos – ou não? São espaços de vida, de manifestação, de circulação, e não deveriam ser apropriados de forma privada – ou não?

Senhores candidatos que têm usado este artifício de espalhar placas por toda a cidade, eu pergunto: se fazem isso agora, o que não farão mais tarde, quando forem eleitos? O que pensam da beleza da cidade? Vale a pena emporcalhar o espaço urbano colocando as tais placas? Não será isso um ato de poluição visual? Se são candidatos, devem saber o que significa poluição visual – ou não? Não sabem que essas placas podem prejudicar a visão dos motoristas causando acidentes? Não pensaram nisso antes de mandar espalhar tais placas? Não acham que essa quantidade de placas pode prejudicar um cadeirante? Uma mãe a conduzir um carrinho de bebê?

Senhores candidatos, os senhores estão, neste momento, muito visíveis, e de vocês o povo espera, no mínimo, coerência, honestidade e sabedoria para lidar com a coisa pública. Que chato começar uma campanha sujando a cidade que pretendem governar ou representar seu povo, não acham?

Daqui a pouco serão tantas as placas e meu temor é que seus cabos eleitorais comecem uma guerra onde elas sirvam de armas, vai ser placa pra lá, placa pra cá, uma placada só! Não vai emplacar. Meu maior medo é sermos atingidos por uma placa voadora perdida, ou uma placa com um sorridente candidato nos perseguindo, solicitando nosso voto... Um pesadelo!

P.S.: em algumas cidades, o nome que se dá às placas é cavalete. 


sexta-feira, 17 de agosto de 2012

O diário de uma professora (parte XI)


Elisa

Anos 1960. Anos de transição, no Brasil e no mundo todo. Até a década de 1950 o mundo ainda era muito “conservador”, com costumes rígidos e exclusão dos jovens, das mulheres e das chamadas minorias do processo político. Mas a pressão era cada vez maior por participação política e cultural. A expectativa era a superação do moralismo que dominava as relações familiares e o meio social. O panorama cultural brasileiro estava fortemente marcado pelas influências norte-americanas (o cinema, a música, a literatura, os quadrinhos), e, por outro lado, por tentativas de formação de uma identidade nacional.

Em termos mundiais, cresce o movimento intitulado como da contracultura, com manifestações musicais inovadoras (o rock and roll), o teatro de rua, novas expressões artísticas, literárias, e o movimento hippie com toda contestação que lhe foi característica. No mundo das artes, destacam-se o cinema francês, o cinema italiano e novos conceitos nas artes plásticas (as performances, as instalações, as vanguardas), etc. Chamam a atenção as ideias terceiro-mundistas de Gandhi, de Patrice Lumumba (assassinado em 1961), de Mandela e de Fidel Castro, dentre outros. Tem continuidade, mais radical agora, a descolonização dos países asiáticos e africanos.  É o tempo de João XXIII revolucionar a igreja católica, é o tempo da Teologia da Libertação, o tempo de John Kennedy nos EUA, do golpe militar no Brasil, da guerra de guerrilha de Che Guevara (executado na Bolívia em 1967), de Martin Luther King questionar o racismo nos EUA (e também morrer assassinado, em 1968).

Os primeiros anos da década de 1960 refletem as mudanças que se anunciam e que se ampliariam a partir daí. No contexto mundial, a Guerra Fria prossegue, intensifica-se a corrida armamentista e tecnológica, a esquerda avança, a luta pela paz e contra a Guerra do Vietnã mobiliza os jovens.

Nos anos 1960, a IBM lança o circuito integrado, ou chip (1964), surge a Arpanet, o embrião da Internet, os soviéticos enviam o primeiro homem ao espaço (Iuri Gagárin) em 1961, e Neil Armstrong é o primeiro homem a pisar na Lua, em 1969. Brasília é inaugurada em 1960. É o tempo dos Beatles, dos grandes festivais de rock e do teatro de vanguarda.

Ainda, nos anos 1960, o médico Christian Neethling Barnard realizou o primeiro transplante de coração, em 3 de dezembro de 1967.As cirurgias cardíacas e o entendimento dos problemas do coração avançaram bastante, mas Romeu, filho de Elisa, não alcançou esse tempo.

Olhando para trás, para um tempo que não volta mais, querendo ou não, sabendo disso ou não, nós, que vivemos o fim do século XX e o início do século XXI, somos frutos deste processo. O legado que temos hoje se enriqueceu, para além de todas as circunstâncias que nos cercaram, e ainda nos cercam, pela convivência com pessoas que, com simplicidade e humildade, nos ensinaram o “caminho das pedras” e a darmos importância a valores como a sensibilidade, a paz e a educação, como Elisa Wey.

Na vida de Elisa, ainda é um tempo de perdas, com a morte prematura do filho mais velho, Romeu. É também tempo de viagens, de luta contra o diabetes e de conhecer os bisnetos. A partir daqui, existem, no Diário, muitas frases soltas, muitos lapsos de tempo, algumas repetições. As viagens, as perdas de parentes próximos, alguns dissabores e a saúde fragilizada talvez expliquem estas falhas. 

Vamos ao Diário.

Elisa, no centro, com a filha Elza, com minha tia paterna, Alda, e os bisnetos:
 Maurício, Luciano, Roberto e Renato (no fundo), em Uberaba, MG.


O Diário (parte XI)

Passamos lá uns dias muito agradáveis e no fim da temporada, Homero foi nos buscar. Heraldo também passou uns dias lá. [Elisa e a filha Dulce estão em Poços de Caldas].

Eu não tenho passado bem das pernas. Elas estão inchadas e doem para andar. Quando estive no Rio, fiz tratamento das pernas e, como não ficasse boa, vou voltar por estes dias.

Elza tem mais um filhinho. Desta vez veio uma menina, vai se chamar Elisa e eu vou ser a madrinha. Pretendo ir a Uberaba, com Cid e Romeu, ainda este mês.

Sylvio vai bem com a empresa de turismo. Elza é mãe de 4 filhos, sendo 3 meninos e uma menina. Lúcia continua com o serviço de assistente social, no Rio. Neyde goza saúde em companhia do marido e do Rubinho. Neusa está esperando seu primeiro filhinho.

Marina forma-se este ano. Dácio vai indo bem com a empresa de turismo. Heraldo está terminando o 3º científico. Marilisa está fazendo o 1º científico, Cybele está na 1º série ginasial, Nelson está fazendo o 4º ano e admissão. Sylvia Heloísa também está fazendo o 4º ano.

Júnior está frequentando o 3º ano do grupo. Lucinho já completou um ano e é uma criança muito bonita e inteligente.

Gisele é a última filhinha do Cid. É uma criança linda e sadia.

No começo de agosto, fui com Romeu a Uberaba. Fomos batizar Elisa, filhinha da Elza. Fizemos de jeep, 1000 quilômetros, ida e volta e a viagem foi tão boa, que não me cansei.

Logo que voltamos de Uberaba, fui ao Rio, a fim de continuar o tratamento das pernas. Melhorei bastante e voltei no dia 31 de outubro, pois eu fiz questão de ir ao cemitério (dia dois de novembro) levar flores para enfeitar a sepultura de Joãozinho. Fomos: eu, Olga e Dulce, mas compramos poucas flores, porque o preço estava exorbitante. 600,00 cruzeiros a dúzia!!!

Passei o mês de dezembro em Santos, fazendo exame de sangue de 15 em 15 dias. No começo do mês, eu, Olga, Júlio e Neusa fomos à fazenda do Romeu [em Peruíbe, SP].

Passamos o dia lá, muito agradavelmente, pois Elza e as crianças lá estavam e se demoraram uns 15 dias. Estivemos apreciando as carpas na represa e eu tomei um banhão delicioso na bica. Romeu estava muito feliz em companhia da filha e dos netos. Voltamos à tardinha.

No dia 9 de dezembro, às 13 horas, Olga recebeu um telefonema de Peruíbe, pedindo oxigênio para Romeu, que estava passando mal.

Ela providenciou tudo, chamou o Franco, que estava em São Paulo, e tocamos para lá. Romeu não estava na fazenda, havia ido a Itariri fazer compras e sentiu-se mal. Foi a Itariri com Elza e 2 dos meninos, mas sentiu-se tão mal e tocou o jeep à toda, com uma das mãos, a outra comprimindo o coração que doía horrivelmente.

Quando eu e Olga chegamos à Peruíbe, encontramos Romeu em casa de uma família amiga. Olga preparou logo o tubo de oxigênio para ele respirar e momentos depois o médico veio tomar a sua pressão. Disse que estava tudo bem e avisou-nos que a ambulância estava à porta e que convinha que ele fosse transportado para Santos, pois ali não havia recursos para seu tratamento.

Colocaram Romeu numa maca, puseram na ambulância e seguimos para Santos: ele, eu e Olga. Sentei-me ao lado da maca e segurei sua mão; mas as dores eram tão fortes que ele virava de um lado para o outro e até de bruços ficou. Estava desesperado, o coitado.

Ao aproximarmo-nos de São Vicente, ele disse: mamãe, eu não aguento mais! Animei-o dizendo que estávamos chegando e, nessa ocasião, Olga perguntou se ele queria ficar em sua casa ou queria ir direto para o hospital. Respondeu que preferia ficar em casa da Olga.

Lá chegando, foi chamado o Dr. Vilarinhos, que veio imediatamente. Examinou o doente e disse que era urgente a sua remoção para o hospital, o que foi feito imediatamente. Lá chegando, tomou diversas injeções, foi tirado o sangue para exame, etc., mas tudo em vão. Pedia água e mais água e, num dado momento, seus olhos  se fixaram em mim e disse duas vezes seguidas: mamãe, eu vou morrer. Oh! Que punhalada senti no coração!

O meu filho, o meu Romeu estava a expirar!

Como é dolorosa a morte de um filho! Meus olhos se enchem de lágrimas ao lembrar-me dos seus últimos momentos. Sua voz, bastante fraca, sôa-me aos ouvidos, ao deitar-me, ao me levantar, a todo momento. Pobre filho!

Eu, Olga e Dulce fomos ao cemitério no começo do ano, a fim de enfeitarmos com flores o túmulo. Lá estão o pai e o filho mais velho. Quem deve ir agora, sou eu, pois já vou completar 79 anos e chega de viver.  (Continua na próxima semana).


Elza e Romeu. 
Elisa no colo de Elza, Renato no fundo, Roberto no centro e Maurício no colo de Romeu. 
Uberaba, 1961, batizado da Elisa.


 Romeu Muniz Barretto

Romeu Muniz Barretto, meu avô materno, nasceu em Conchas, SP, em 24 de novembro de 1903 e faleceu em Santos, em 09 de dezembro de 1961. Filho mais velho de Elisa e Joãozinho, teve 4 filhos. Foi casado com Maria Ercília Morato Barbosa (Ciloca, minha avó materna), separou-se e teve outros relacionamentos ao longo da vida. Trabalhou no comércio, viajou muito pelo Brasil, foi prefeito de Itariri, SP, trabalhou como delegado do antigo Serviço de Proteção aos Índios (SPI), lutou na Revolução de 1932, comprou uma fazenda em Peruíbe, SP, planejou exportar banana para a Argentina, plantou seringueiras, sonhou em transformar sua Fazenda Icatu num verdadeiro paraíso ecológico, onde ele pudesse ter cavalos, peixes, cachorros, bichos do mato, ouvir música clássica e ler bons livros. Foi comunista, admirador de Luís Carlos Prestes, depois apoiou Ademar de Barros (político paulista). Sempre gostou de fotografia e fotografou índios, bichos, cachoeiras, rios, etc. Morreu num momento especial de sua vida: recebendo na fazenda Icatu a filha Elza e os netos pequenos. Quis me ensinar a nadar me jogando numa represa e dizendo: nade! (Homero Salles Júnior, sobrinho de Romeu, filho de Dulce, meu primo, conta que meu avô fez o mesmo com ele). Destemido, mateiro, gostava de armas, capturava e enviava cobras para o Instituto Butantã, pegava as cobras com a mão, com uma destreza impressionante (inspirei-me nele para contar uma das histórias do meu livro “Os bichos são gente boa”).

Abaixo, fotografias em diversos momentos. Infelizmente, não há indicações de lugar, data e pessoas, embora ele tenha numerado cada uma das fotos, mas a anotação se perdeu. Algumas dessas fotografias foram feitas a partir de negativos de vidro, perfeitamente conservados até hoje.





































Bienal do Livro de São Paulo - 2012



22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo. 


Mara Maciel e Renato Muniz

11 de agosto de 2012, no estande da GIZ EDITORIAL (editora do livro "Os bichos são gente boa"). Um encontro de amigos, leitores e livros.


Raul e Renato

Autores da Giz: Giulia Moon, Renato Muniz e Regina Drummond

Davambe e Renato

Raul e Mara

Renato no estande da Giz Editorial. 

Parabéns Simone (Giz Editorial)!






quarta-feira, 8 de agosto de 2012

O diário de uma professora (parte X)


Elisa rodeada pelos filhos. 
Da esquerda para a direita: Lúcio, Dulce, Cid, Olga e Romeu 


“A educação não se firma sem a cultura. Penso até que primeiro é a cultura, depois a educação. Porque primeiro você se propõe no seu querer, seja na comida, no vestir, em todas as propostas de vida. Depois se educa. (...) O ritual do conhecimento, da sensibilização do cidadão, é a cultura que dá.” (Fernanda Montenegro)

“Hoje estou velha como quero ficar. Sem nenhuma estridência. Dei os desejos todos por memória e rasa xícara de chá.” (Adélia Prado)

“Não me pergunte quem eu sou e não espera que eu continue o mesmo. Deixe para os burocratas a tarefa de verificar se os nossos papéis estão em ordem.” (Michel Foucaut)

“Minha mãe achava estudo a coisa mais fina do mundo. Não é. A coisa mais fina do mundo é o sentimento.” (Adélia Prado)

Quase chegando ao fim (do Diário), me pergunto; quem foi Elisa? Que legado nos deixou? Penso no tempo que passou desde que ela se foi. Penso no tempo... E me vem à mente as frases acima e seus “ensinamentos”: cultura, memória, sentimento, caráter.

Elisa atravessou o século XX até o finalzinho, e faleceu antes dele dar sinais de que mudaria radicalmente, como aconteceu a partir dos anos 1980. Elisa viveu os tempos da Revolução de 1932, da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), da deposição de Getúlio Vargas, de seu retorno e suicídio, da Guerra da Coreia, da Guerra do Vietnã (e não viu seu fim), da ditadura militar no Brasil (também não viu seu fim). Viveu a grande mudança nos costumes, o movimento feminista, o movimento hippie, a revolução cultural dos anos 1960. E “atravessou” os dias, os meses e os anos com a mesma serenidade, com a disposição de quem sabia que tinha um bom exemplo para deixar aos descendentes.

Parece bobagem, mas um dia, eu me lembro bem, numa das suas visitas a Uberaba, ela me disse, sentadinha comigo no meu quarto, conversando: “Deixe sua fronte aparecer, penteie seu cabelo para trás, mostre-se, não tenha medo de enfrentar as pessoas e o mundo”. É, parece bobagem, não foi uma lição piegas, de falso moralismo, mas era uma forma de ver o mundo, de se inserir no mundo, e essa foi uma das imagens mais firmes que ficou dela na minha memória. Para um menino de doze anos, entrando na adolescência, foi muito significativo.

Nesta parte do Diário, ela conta um pouco da vida de seus filhos, netos e bisnetos. Isso interessa mais aos parentes, pois são questões familiares, nomes e trajetórias que só os da família identificam. Mas se pode extrair do Diário, trechos “curiosos”, como a afirmação sobre a “barba” do Romeu – o filho mais velho, sempre uma fonte de inspiração e de preocupação –, sua empolgação com as viagens e a preocupação com o estudo dos netos. Há uma dúvida sobre quem seria seu bisneto mais velho: Renato ou Rubens? Quem pode dizer qual foi a data de nascimento do Rubens? Eu nasci em abril de 1957.  

Vamos ao Diário.

Elisa e a neta Lúcia no Perequê

O Diário (parte X)

Setembro de 1959

O meu terceiro bisneto, filhinho da Elza já nasceu, chama-se Maurício, sendo que o primeiro tem o nome de Renato. O meu primeiro bisneto é filho da Neyde e chama-se Rubens Sergio. Já completou um ano.

Tenho ido todos os anos ao Rio onde passo dois ou três meses. No ano passado (1958) estive lá dois meses e regressei em julho afim de, com Dulce, Heraldo e Júnior fazer uma estação de águas em Araxá. No ano anterior, saí com Olga, Júlio e Neusa e fomos ao Chile, tendo passado uns dias em Buenos Aires e Bariloche. A viagem de Bariloche à Santiago do Chile é maravilhosa. Voltamos de avião, por cima da Cordilheira dos Andes, até Buenos Aires e daí até Santos, pelo navio Cabo de São Roque.

Elisa, Neusa, Olga e Júlio


Em maio deste ano (1959) fui ao Rio. Escolho sempre esta época do ano, por ser mais fresca. Terezinha estava esperando a chegada da cegonha e esta veio antecipadamente. Nos primeiros dias de junho ela não estava passando bem e o médico, tendo sido chamado, opinou por uma cesariana. De fato, no dia 5 ela foi operada e veio à luz do dia o seu filhinho [Lucio Júnior]. Nasceu pequenino, magrinho, mas atualmente está forte e gordo. Olga esteve lá este mês (setembro) e veio encantada. Estou ansiosa para vê-lo.

Olga e Júlio viajaram para o norte e, durante a sua ausência, fiquei em Santos fazendo companhia à Neusa. Neusa já está formada em Direito e fez, este ano, o curso de aperfeiçoamento do Normal. Muito estudiosa e inteligente, tirou o primeiro lugar e, portanto, cadeira prêmio.

Dácio está trabalhando em um banco; Heraldo está fazendo o 1º ano científico e Júnior está cursando o 1º ano primário. É muito levado e teimoso, mas é inteligente e está fazendo boa figura no colégio. Sylvia Heloisa está muito crescida, é uma menina bonita e está frequentando o 2º ano primário.

Marilisa passou para a 4ª serie ginasial, Cybele vai fazer preparatório para o ginásio e Nelson passou para o 3º ano primário. Todos bem encaminhados. Neyde vai bem, trabalhando sempre e cuidando do seu filhinho. Marina passou para o 2º ano do Normal. Futura professora. Romeu continua na fazenda e, até hoje, não resolveu tirar a barba. Lucio vai bem. Já é Tenente Coronel do Exército e é um ótimo dentista civil. Muito trabalhador e muito correto. Homero, sempre firme no Novo Mundo. É um bom genro e tem por mim uma grande estima. Júlio também é um genro muito querido e trabalhador.

Fevereiro de 1960
A vida continua. Eu tenho passado relativamente bem. Minhas pernas não me permitem mais fazer caminhadas. Doem muito e a dor é na barriga da perna. Disseram-me que todas os diabéticos estão sujeitos a essa dores. No dia 30 de janeiro fizemos o batizado do Lucinho. Eu fui madrinha e o Sr. Braga o padrinho. A reunião foi em Santo André e esteve muito concorrida.

Em abril, vou completar 77 anos e, nesse mesmo ano e mês, faço 27 de aposentadoria. Já vivi muito e estou preparada para a despedida deste mundo. Lucio e Terezinha estão passando as férias aqui. O menino (Lucinho) está um colosso! Muito gordo, corado, cheio de saúde e mansinho. É o encanto dos pais e nosso também. Lucio foi promovido a Coronel.

Romeu continua na fazenda e não vai muito bem de saúde. Olga está forte e continua trabalhando no serviço de tuberculose. Dulce, sempre às voltas com o Parquinho. Cid está bem colocado na Cerâmica Caetano e goza saúde. Julio e Homero, bons genros, cumpridores dos seus deveres. São para mim, verdadeiros filhos.

Elza está esperando, novamente, a chegada da cegonha. Vamos ver se desta vez vem uma menina.

Dácio continua trabalhando no banco e Heraldo passou para o 2º científico.

No fim de 1960 faleceu meu irmão Hermelino, com a idade de 82 anos. Hermelino foi um bom irmão. Cumpridor de seus deveres, educou os filhos, casaram-se 2 (Clóvis e Lourdes) e estes lhe deram uma porção de netos. Em 1966, faleceu Josefina, viúva de Hermelino.

Em 20 de setembro de 60, fui com Cid à Uberaba conhecer o terceiro filhinho da Elza. Está com 6 meses e chama-se Roberto. Elza está forte e os meninos, crescidos.

Lucio e Terezinha passaram uns dias em São Paulo. O Lucinho continua forte e está começando a andar e falar.

Em janeiro deste ano (1961) casou-se Neusa. Seu marido chama-se Francisco Tálamo, de nacionalidade italiana. É um bom rapaz. Muito meigo e trabalhador. Neusa leciona em Campo Grande, adiante de Sto. Amaro; mas tem esperanças de se colocar em Santos, mais tarde.

Dacio ficou noivo de Miriam no dia 30 de janeiro, dia do seu aniversário.

Estamos em julho, isto é, em agosto de 1961. Este ano, em maio, já estive no Rio de Janeiro, onde passei dois meses. Vim de avião, pois fui avisada que Dulce havia sido operada de uma trombose no reto. Encontrei-a ainda no hospital, mas estava passando bem. Agora está quase reestabelecida. Fomos: eu, ela e Júnior, passar as férias de julho em Poços de Caldas, nos hospedamos no Hotel Quisisana. (Continua).

Elisa e as netas Neusa, Lúcia, Elza, Neyde e Marina

Elisa e o bisneto Rubens

Elisa entre os bisnetos Maurício e Renato